Prefeitura de Arujá
Resíduos sólidos: Plano propõe medidas
26-11-2018
Diretrizes e estratégias a serem adotadas pelo município nos próximos 20 anos para alcançar a sustentabilidade ambiental, econômica e financeira na gestão de resíduos sólidos, além de metas capazes de transformar o atual gerenciamento dos inservíveis em Arujá. Essas foram algumas das ideias abordadas na audiência pública de apresentação do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PMGIRS).
   
Segundo a secretária municipal de Meio Ambiente, Ionara Fernandes, “este é um trabalho enorme de avaliação que permitirá planejamento, estruturação e execução em longo prazo, assim como um melhor aproveitamento das possibilidades locais”. O plano, reforçou ela, “é uma exigência para o município captar recursos da União destinados a empreendimentos e serviços ligados à gestão de resíduos sólidos”.
   
Elaborado pela Deméter Engenharia com recursos do Comitê de Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul (CEIVAP) e sob supervisão da Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul (AGEVAP), o PMGIRS foi apresentado pelo engenheiro ambiental Guilherme Jauri Mazutti Michel, que detalhou o diagnóstico dos tipos de resíduo e as ações possíveis para a melhoria de cada item.
   
“Há diversas iniciativas que a cidade possui e que deve manter e ampliar. As leis já existem e estão em vigor, mas o Plano Diretor, por exemplo, precisa ser revisado”, pontuou. A coleta seletiva é um dos pontos de destaque. A cidade é 100% atendida pelo serviço, no entanto, a adesão dos moradores ainda é pequena: “Ou chega pouco material à cooperativa ou ele chega contaminado por conta da separação incorreta”.
   
Outra situação que demanda atenção está relacionada à forma como os munícipes dispõem de seus resíduos cotidianamente. “A maior parte os coloca na calçada ou os pendura em muros. Ambas as práticas são inadequadas e geram sérios problemas, especialmente neste período de chuvas. São vários os transtornos. É preciso conscientizar e cobrar das pessoas o manejo adequado dos materiais”, disse.
   
Acompanhado pelo secretário municipal de Planejamento, Juvenal Penteado, o prefeito José Luiz Monteiro participou do evento e ressaltou a importância da discussão técnica acerca do tema. “Precisamos ouvir, mudar, refletir sobre esse consumismo desenfreado e dar a nossa retribuição ao planeta. As enchentes e desastres não ocorrem por acaso, temos que pensar e rever nossos hábitos”, frisou.
   
Quinta etapa de elaboração do PMGIRS – que já cumpriu as fases de legislação preliminar (levantamento de leis), caracterização geográfica, socioeconômica e ambiental, a audiência pública garantiu oportunidade para que população, autoridades e entidades pudessem dar sua contribuição à finalização do documento, que continua disponível no site http://arujapmgirs.wixsite.com/pmgirs/downloads.
   
Fórum
A audiência pública foi parte do Fórum de Resíduos Sólidos que a Câmara de vereadores promoveu na última sexta-feira (23/11). Conduzida pela vereadora Ana Poli, a iniciativa contou com a participação online do gestor de projetos socioambientais, Ivam Michaltchuk, que falou sobre “Educação Ambiental e Reciclagem de EPS - O Exemplo de Arujá”.
   
Bruna Cavalcante, presidente da Associação de Catadores de Arujá (CORA), aprofundou algumas das questões relacionadas ao serviço de coleta seletiva no município, destacando a realidade local e a atuação dedicada dos catadores. Por sua vez, a presidente da ABTR, Simone Amaral, e a vice-presidente, Silvia Brunelli, apresentaram um recorte da gestão de resíduos sólidos da cidade de São Paulo.
   
Já o secretário do Verde e Meio Ambiente de Mogi das Cruzes, Daniel Teixeira de Lima, traçou um panorama da logística reversa, cujo objetivo é o retorno de materiais já utilizados para o processo produtivo, visando o reaproveitamento ou descarte apropriado de materiais e a preservação ambiental. “O mais importante é a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos”, ressaltou.
   
“Discutimos aqui ações efetivas que devem ser encampadas por todos e que são de fundamental importância para a preservação do meio ambiente”, concluiu Ana Poli. Participaram ainda os vereadores Abel Franco (Abelzinho), Rafael Laranjeira, Edmar do Rosário, Reynaldo Gregório e Marcelo Oliveira, além de técnicos do Meio Ambiente e representantes da ONG Sociedade Ambientalista Luta Verde de Arujá (Salvar) e do Conselho Municipal de Meio Ambiente (Condema), entre eles Oswaldo Coutinho Junior.
Veja também